Ir para conteúdo. Skip to navigation

Cepagri

Sections
Ferramentas pessoais
Você está aqui: Página Inicial Artigos Especiais Vendavais
Document Actions

Vendavais

Relação Entre Velocidade do Vento e Danos

ESCALA ANEMOMÉTRICA INTERNACIONAL DE BEAUFORT 

Escala Beaufort

Categoria Nome

Velocidade do Vento m/s            Km/h

Indicações Visuais na Superfície Terrestre

00

CALMA

0,0 – 0,2

< 1

Folhas de árvores sem movimento. Fumaça sobe verticalmente.

01

ARAGEM

0,3 – 1,5

1 - 5

Desvio da fumaça. Cataventos não são deslocados.

02

BRISA LEVE

1,6 – 3,3

6 – 11

Ventos sentidos no rosto. Folas de árvores farfalham. Catavento se move.

03

BRISA FRACA

3,4 – 5,4

12 – 19

Bandeiras levemente agitadas. Folhas e galhos de árvores em movimento.

04

BRISA MODERADA

5,5 – 7,9

20 – 28

Poeira e papeis soltos se elevam. Pequenos ramos são movimentados.

05

BRISA FORTE

8,0 - 10,7

29 –38

Árvores pequenas e folhagem oscilam. Ondas com cristas em lagos.

06

VENTO FRESCO

10,8 – 13,8

39 – 49

Galhos grandes agitados. Assovio nos fios. Difícil usar guarda-chuvas.

07

VENTO FORTE

13,9 – 17,1

50 – 61

Árvores inteiras em movimento. Difícil caminhar contra o vento.

08

VENTANIA

17,2 – 20,7

62 – 74

Galhos de árvores são quebrados. Impossível andar.

09

VENTANIA FORTE

20,8 – 24,4

75 – 88

Pequenos danos em edificações. Chaminés e telhas são arrancados.

10

TEMPESTADE

24,5 – 28,4

89 – 102

Raro. Árvores são derrubadas. Danos consideráveis em edificações.

11

TEMPESTADE VIOLENTA

28,5 – 32,6

103 – 117

Raríssimos. Grandes devastações. Derrubada de edificações, placas de sinalização etc.

12-17

FURACÃO/TORNADO

> 32,7

> 118

 

 

ESCALA FUJITA – CLASSIFICAÇÃO DE TORNADOS 

ESCALA

VELOCIDADE DO VENTO KM/H

F0

65 – 116

F1

117 – 179

F2

180 – 250

F3

251 – 331

F4

332 – 419

F5

420 – 511

F6

> 511

 

Obs: Medir velocidades fortes do vento corretamente é praticamente impossível já que, a não ser nos casos de furacões, a extensão do fenômeno é muito pequena e o equipamento adequado (anemômetro) teria que estar localizado exatamente no local de passagem do fenômeno. Assim, as velocidades são normalmente estimadas através dos danos causados na superfície. A tabela anemométrica internacional de Belfort acima mostra esses efeitos.